12548879_1014257318634550_3905660681732918551_n 

Iniciamos neste post uma série para compartilhar saberes sobre o ciclo feminino conhecido como Climatério e Menopausa.

Escolhi este tema porque com o envelhecimento da nossa população, é cada vez maior o número de mulheres nesta fase da vida. Segundo dados do IBGE, estima-se em 36% da população feminina brasileira. Ou seja, atualmente, algo em torno de 35 milhões de mulheres. Muita gente!

Climatério também conhecido como período crítico, é o período que determina a transição do ciclo reprodutivo feminino para o não reprodutivo. Ocorre geralmente em torno dos 45 anos de idade.

Menopausa é a última menstruação, comprovada após a ausência do fluxo menstrual por 12 meses consecutivos. Costuma ocorrer entre 45 e 55 anos de idade. Embora seja considerada um acontecimento fisiológico normal e esperado na vida das mulheres, é considerado pela medicina como uma endocrinopatia (doença que afeta o sistema endócrino). E é importante salientar que com o aumento da expectativa média de vida para 77 anos, estamos vivendo na pós menopausa por, aproximadamente, mais de 30 anos. Daí a importância de nos prepararmos para esta longa e importante fase das nossas vidas.

Algumas de vocês que estão lendo este post ainda estão longe deste ciclo, outras estão iniciando ou em algum de seus estágios. Mas a idéia que trazemos hoje é a de criarmos grupos femininos de apoio e discussão de como vivenciar de forma integral e equilibrada este nobre ciclo das nossas vidas. Incentivando espaços de escuta, esclarecimento e promoção do auto conhecimento.

As mudanças no Climatério e Pós Menopausa são sentidas e percebidas através de sintomas que vão desde:

– fogachos, irritabilidade, depressão, secura nas mucosas e na pele; alterações do sono;

– atrofia urogenital que pode levar à incontinência urinária;

– até hipertensão arterial, diabetes, agravação de tendências a outras doenças cardiovasculares e osteoporose.

Entretanto apesar destes agravos, tanto o Climatério quanto a Menopausa são acontecimentos fisiológicos esperados e importantes na evolução da espécie humana. Acompanham o ritmo natural de “declínio das forças vitais” que atuam sobre o corpo e garantem a disponibilidade de energias sutis para a elevação da consciência. “É o ponto da vida em que a ampliação da consciência nos faz ascender e crescer em nosso desenvolvimento ou então, parar em nosso crescimento e, com isso, decrescer, acompanhando a curva biológica. A terceira possibilidade que existe é manter o ritmo máximo dos anos anteriores, com prejuízo da saúde e harmonia interior.” Burkhard

Trocando em miúdos a proposta é refletir sobre a Menopausa como um rito de passagem natural, aproveitando a oportunidade para promover transformação e crescimento, irradiando a própria luz espiritual. É o tempo de aprender a aumentar o auto amor e a paciência consigo e com o outro. Ou manter o ritmo acelerado e perder a oportunidade de vivenciar a sutilização, com serenidade e Sabedoria.

Para facilitar este trabalho  de conviver com este ciclo, neste post e nos próximos desta série vamos trazer algumas dicas de como vivenciar este tempo de mudança que poderá ser vivido de forma saudável e realizada.

– pratique e aprofunde a auto observação: ao acordar observe como está se sentindo; alguma dor ou mal estar? tem disposição para levantar-se? sente-se animada?

– pratique uma atividade física que goste e por no mínimo 3 vezes por semana;

– pratique Yoga ou posturas de Yoga como a Viparita-karani, Sarvãngãsana e Halãsana que por suas características estimulam o Hipotálamo, atuando diretamente na regulação dos centros responsáveis pelo calor, fome e humor;

– use Ghee (manteiga clarificada) ou óleo de coco (1 colher de sopa/dia) para aliviar os sintomas de ressecamento da pele e mucosas em uso interno;

– evite o fumo e as bebidas alcoólicas;

– evite os gatilhos que desencadeiam os fogachos como: bebidas alcoólicas, líquidos  e alimentos muito quentes, roupas e cobertores muito quentes ou pesados; estresse, emoções muito intensas e aglomeração de pessoas;

– adote uma dieta alimentar equilibrada e nutritiva;

– experimente o floral australiano She Oak e o Walnut do Bach.

Finalmente, e talvez o mais importante, busque interagir com outras mulheres em grupos para este propósito, onde poderá socializar informações, dificuldades e sobretudo assegurar-se de não estar sozinha.

Te aguardo no proximo post para continuarmos a conversar sobre Climatério e Menopausa. Quer aprofundar o assunto? Pergunte na fanpage do Ser Integral ou mande um email para rmarrie@gmail.com.

Grande abraço e ótima semana!

Fontes: dra Adriana Pissetti e Laura Packer


Rouse Marrie

Eu sou Rouse Marrie, Naturóloga, Especialista em Plantas Medicinais, Aromaterapia e Cromopuntura, Praticante de EMF Balancing Technique, Reiki e Leitora de Registros Akáshicos. Acredito firmemente na capacidade evolutiva do Ser Humano: não existe retrocesso. Às vezes damos um passo à frente e parece que damos dois para trás, mas é com estes passos que construimos a caminhada das nossas Almas. Se você sentir em seu coração que quer fazer esta caminhada com Amor, não hesite! Venha conosco!

Adenilde Chaves · 25 de janeiro de 2016 às 19:03

Excelente o artigo Ciclo Feminino, foi muito esclarecedor o que foi colocado sobre climatério e menopausa!!!
Parabéns!!

    Rouse Marrie · 27 de janeiro de 2016 às 13:16

    Gratidão querida Adenilde. Sua opinião e incentivo é muito importante para nós. Compartilhamos os frutos da nossa pesquisa e experiência clínica por você. Quando puder divulgue para outras mulheres, nossas companheiras de caminhada às quais também pode ser útil.
    Abraços

Roseli Sterechuc · 13 de junho de 2016 às 21:15

Tema bastante esclarecedor e me parece pouco divulgado nos ciclo do sagrado feminino. Como estamos trabalhando com a mitologia das Deusas, penso que seria bastante interessante focarmos também nessa fase da vida, que assim como as outras é importante tanto quanto. Pra mim pessoalmente seria o mais importante fase ela fica mais visível devido processo de individuação de Carl Gustav Jung.
Gratidão querida pelo belo texto e por despertar em mim esse sentimento de trabalhar com mulheres neste ciclo de vida!

Vamos comentar

%d blogueiros gostam disto: